Páginas

22/06/2018









Hoje acordei com a sensação de estar vivendo em um mundo onde eu não caibo.
Não consigo me encaixar em um mundo onde crianças são sacrificadas de sua liberdade, sacrificadas do convívio com suas mães, dopadas, entregues às jaulas e os leões sejam outros seres humanos, com filhos esperando retornarem de seus "trabalhos", em suas casas quentinhas e aconchegantes.
Somos responsáveis.
Não me encaixo em um mundo onde homens ainda se sentem no direito de nos terem como "posses".
Não me encaixo em um mundo onde mulheres ao invés de justiça, esperam a destruição dos homens, suas famílias, suas vidas. Num imenso sentimento de vingança, por erros grotescos sim, mas onde a destruição da vida não lhes trará nenhum aprendizado, apenas ódio.
Assim vamos seguindo falando em amor e espalhando sementes de separação.
Não me encaixo em um mundo desses, dói meu peito e minha alma a cada postagem que destila raiva, veneno, separação.
Pessoas pregam amor em suas vivências e caminham gotejando ódio concentrado por suas presas afiadas, esquecendo que estão destilando o mesmo veneno que elas tanto pedem para que se acabe no mundo.
Não consigo mais conceber um mundo assim.
Não consigo entender porque pessoas não assumem responsabilidade sobre o que acontece AGORA no mundo.
Não é o mundo que está violento, somos nós que não mudamos e queremos mudanças no mundo.
Queremos um mundo justo, mas caminho na vingança.
Queremos um mundo de paz, mas ficamos felizes ao saber que alguém "se fodeu" por ter cometido um erro.
Quero educar meu filho "cheio de amor", mas que todos os "outros" homens se danem.
Mano, ou eu to louca, caminhando em um caminho fora do mundo, ou tem algo acontecendo e que não estamos percebendo realmente onde "eu" alimento esse fio escuro.
Todos somos responsáveis.
Todos precisamos saber onde vibra nosso coração, que onda ele alcança e quais informações envio ao universo, pois o que estamos recebendo é a exata medida do que somos.
Que me perdoem o desabafo. Mas hoje, acordei muito indignada. Só, não me permito entrar em tristeza ou ódio, pois isso me colocaria na mesmíssima frequência de tudo que mais estou em desacordo.
Consciência do que emanamos para termos consciência de quais energias envolvemos nossa Casa!
Mais uma vez:
Sinto muito
Me perdoe
Eu te amo
Sou grata


Rose Kareemi Ponce

21/06/2018




Próximo Despertar das Almas Benzedeiras, será sábado dia 24 em São Bento do Sapucaí.
Contato: Naná Brasil (12.996331219)
Vem com a gente, rezar o mundo!
Ainda temos vagas!
Para homens e mulheres!

18/06/2018






Somos as mãos que tecem
Fios de cura e proteção
Somos as mãos que tecem
Unidas em amor e união
Somos as mãos que tecem
Abuelas que se unem em oração
Somos as mãos que tecem
Cantamos canções de sanacion
Somos as mãos que tecem
Guerreiras da luz em ação
Somos as mãos que tecem
Rezos de cura para os corações
Somos as mãos que tecem
Sonhos coloridos para a Nação
Somos as mãos que tecem
Caminhos sagrados para todos irmãos
Somos as mãos que tecem
Abraços apertados de proteção
Somos as mãos que tecem
O futuro de paz entre as nações!


Rose Kareemi Ponce







Em que tempo/espaço você está?

Você vive no passado ainda?
Você precisa contar seus feitos, onde trabalhou, quais diplomas conseguiu, quanto ganhou, quais carros já teve, por quais países já viajou?
Pois te digo uma coisa, enquanto precisar fazer isso, sua vida no aqui e agora não será firme, pois você não está no aqui e agora.
Não interessa onde você trabalhou, viveu ou viajou, apenas o que aprendeu nos lugares onde esteve.
Não interessa quanto de dinheiro você ganhou, se sua opção foi sair do sistema, isso não mais pode ter peso em seus passos.
Não interessa quais caminhos trilhou no Passado. Sua vida está acontecendo no Presente e é aqui que sua alma precisa pulsar.
Enquanto suas referências estiverem "Lá", sua prosperidade, harmonia, equilibrio e bem estar, não estarão "Aqui"!
Enquanto sua mente ainda precisar desse pensar, sua alma não estará livre das correntes pesadas que você arrasta por onde quer que vá.
Seus pés precisam firmar passo e isso não será no passado já vivido ou em um futuro onde apenas sonhos estão sendo tecidos.
Quer uma vida melhor?
Traga contigo apenas as lições das estradas percorridas por seus pés. Títulos, salários, cargos, etc., precisam ser deixados lá, onde estiveram, onde foram criados e onde você não quis mais estar.
Lembre-se sempre porque quis sair e o que te mantém presa a determinados padrões.
Lá, não existe mais.
Acolá, ainda não foi construído.
Aqui, é onde seu coração pulsa e a vida é construída momento a momento.
Pense nisso.


Rose Kareemi Ponce

14/06/2018






Parir um conto é como parir um filho.
Não engravidamos da inspiração quando queremos apenas, precisamos juntar o querer, com umas pitadas de inspiração, uma porção de emoção, deixar a alma vazia para o aprendizado, o frontal aberto para "ver" as palavras que chegam, juntar todas elas, chacoalhar, para sentir a catarse do orgasmo chegando e então sentir-se grávida. As palavras que chegaram precisam ser organizas em seus devidos lugares, cada pedaço, cada tom precisa ser sentido, cada significado...assim cria-se o corpo, mas ainda falta encaixar a alma. Permitir que as Musas tragam pelas mãos o espírito mágico que dará vida a todo aquele emaranhado de idéias, sentimentos, emoções...permitir que tenha brilho por si só e que esse brilho seja permanente a partir de então em nossas vidas.
Então, após as Senhoras da inspiração abençoarem com sua luz, toda criação, ela está pronta para ser parida, desenhada em papel, com os hieroglifos dos tempos atuais, usando símbolos atuais, roupagens de agora.
E num inundar das mais profundas e cristalinas águas, as palavras escoam pelos canais e coroam a boca do céu, trazendo a tona o ser que nos acompanhou tão profundamente durante o tempo necessário para ser parido.
Num grito que nasce das profundezas da alma, percebemos que estivemos em um aprendizado, sendo iniciadas no infinito, direto da fonte, onde as águas transparentes geram palavras sagradas.
Parir um filho é reencontrar a força da vida.
Parir um texto, é aprender como dançar essa força!
Parir um conto é ser instrumento das Musas!
Amo escrever!


Rose Kareemi Ponce